Facebook

Última Atualização do site:  

17/04/2024 16:51:31

Zmail
Cadastro Rural
ÚLTIMAS NOTÍCIAS /
Visualizada 582 vezes
Criança é encontrada amarrada com arame dentro de casa em Londrina
Quinta-feira, 07 de janeiro de 2016
 
 

Um menino de onze anos passou mais de quatro horas amarrado com arame em uma casa em Londrina, no norte do Paraná, na terça-feira (5). Segundo o Conselho Tutelar, a criança era mantida presa dentro da residência pela mãe e pelo padrasto. O padrasto, de 33 anos, e a mãe, de 26, foram presos em flagrante.

Uma denúncia anônima informou ao Conselho Tutelar que a criança estava gritando e que parecia que ela estava sendo agredida. Fotos tiradas no local mostram como o menino estava amarrado quando foi resgatado pelos conselheiros tutelares e pela Polícia Militar (PM).

Quando chegaram no local, os conselheiros chamaram pelos donos do imóvel, mas ninguém atendeu. Ao chamarem pelo nome do menino, o garoto disse que não poderia abrir a porta porque estava amarrado.Como os cachorros estavam soltos, os conselheiros precisaram da ajuda de policiais militares e de vizinhos para entrar na casa.

“Nós entramos na casa após arrebentarmos o cadeado do portão. A porta do quarto também estava fechada, e quando abrimos, vimos o garoto no chão, com os braços amarrados para trás, as pernas e os pés amarrados com arame”, detalha a conselheira tutelar Fernanda Oliveira.

Segundo Fernanda, o menino relatou aos conselheiros e policiais que não era a primeira  vez que foi amarrado pela mãe e padrasto. “A criança gritava muito por socorro, dizia que estava doendo demais. Logo depois de ser solto, o menino relatou que já tinha sido amarrado com fio e com pano, mas, das outras vezes, conseguiu fugir. Dessa vez, o padrasto resolveu amarrar com arame”, contou a conselheira.

A delegada do Núcleo de Proteção à Criança a ao Adolescente Vítimas de Crime (Nucria), Lívia Pini informou que já ouviu a mãe e o padrasto da criança e eles disseram em depoimento que amarraram o garoto porque ele estava há mais de dois dias fora de casa. Já a criança disse ao Conselho Tutelar que demorou a voltar para a casa porque estava com medo de apanhar.

O Conselho disse ainda que o garoto apresentava outros machucados pelo corpo, alguns já cicatrizados e causados pelos frequentes maus-tratos. A criança foi levada ao Pronto Atendimento Infantil e fez alguns exames. Depois de medicado, o menino foi levado para casa de parentes do pai, que morreu há quatro anos.

“Nós não podemos achar que para educar a criança temos que corrigir com castigo físico. É preciso ter carinho, diálogo e amor. Para muitas das crianças que o Conselho atende, falta amor, carinho e atenção do pai e da mãe”, relata a conselheira Fernanda Oliveira.

O garoto vai continuar recebendo atendimento do Conselho Tutelar, o caso está com o Nucria.

“O padrasto foi autuado por tortura, lesão corporal e cárcere privado. A mãe foi autuada por tortura e cárcere privado, porque as lesões foram praticadas pelo padrasto. Provavelmente, o menino não voltará para a residência dos genitores”, pontua a delegada do Nucria.

A delegada do Nucria informou ainda que o casal não registrou Boletim de Ocorrência sobre o desaparecimento do garoto ou procurou a polícia para falar que o menino tinha sumido de casa. Cada um pode ser condenado a 14 anos na prisão.

 
 
 Outras Notícias
VER TODAS
 

HORÁRIO DE ATENDIMENTO: De Segunda à Sexta das 8:00 às 11:30 e das 13:00 às 17:30

Rua Pref. José Buhrer Junior, 462 - Centro

Cep: 84430-000 - IMBITUVA - Paraná

(42) 3436-1639 - (42) 3436-1342

prefeitura@imbituva.pr.gov.br