Facebook

Última Atualização do site:  

03/02/2023 16:16:31

Zmail
Cadastro Rural
ÚLTIMAS NOTÍCIAS /
Visualizada 1201 vezes
Empresa acusada de fraude atua em Guarapuava desde a década de 1970
Quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017
 
 

A empresa que, segundo o Ministério Público do Paraná (MP-PR), participou de fraude para vencer a licitação do transporte público de Guarapuava, na região dos Campos Gerais, controla o sistema de ônibus do município desde a década de 1970.

A Pérola do Oeste, ligada à família Gulin, que também controla parte do transporte coletivo de Curitiba, é investigada na Operação Riquixá, cuja segunda fase foi deflagrada na terça-feira (21) - foram cumpridos 16 mandados de busca e apreensão e 10 de condução coercitiva em Guarapuava, Campo Largo e Curitiba.

saiba mais

Advogado criou método para fraudar licitações de ônibus no PR, diz delator

Gaeco cumpre mandados da segunda fase da Operação Riquixá no Paraná

MP-PR denuncia 22 pessoas investigadas na Operação Riquixá

Irregularidades em transporte público motivam operação do MP-PR

Gaeco prende 6 pessoas e ouve ex- prefeito de Foz na Operação Riquixá

Documentos indicam licitação de ônibus suspeita em 7 cidades do PR

A empresa atuou sem licitação até 2009 em Guarapuava, quando o poder público foi proibido de prorrogar os contratos com a empresa sem abrir concorrência.

Segundo as investigações, desde o início dos estudos para a licitação, a intenção já era direcionar a concorrência, com a participação do ex-prefeito Luiz Fernando Ribas Carli, denunciado pelo MP por crimes como desvio de verbas públicas e fraude a licitação.

A empresa que disputou a licitação com a Pérola do Oeste nunca teve a intenção de vencer a concorrência, de acordo com o advogado Sacha Reck, delator na operação.

Reck diz na delação que a Auto Viação Marechal, também pertencente ao Grupo Gulin, participou da licitação "unicamente para dar aparência de legalidade e competividade ao procedimento, a denominada 'cobertura'".

Os promotores dizem que escritórios de advocacia, empresas de engenharia, agentes públicos e empresários do setor de transporte se juntaram para fraudar a licitação.

Segundo a delação premiada do advogado Sacha Reck, o ex-sócio dele, Guilherme Gonçalves, foi o criador do método utilizado pela organização criminosa, especialmente a elaboração de um modelo de edital de licitação direcionado para a fraude, com a colaboração de empresas de engenharia.

Os promotores afirmam que Gonçalves planejou o esquema com Fábio Martins Ribas, ex-procurador geral do município de Guarapuava e primo do ex-prefeito Luiz Fernando Ribas Carli.

Fábio Ribas teria indicado, segundo os investigadores, Zamir Martini - ex-assessor jurídico do município de Guarapuava e Luiz Adriano Chociai, ex-diretor do Departamento de
Licitações e Contratos para concretizar a fraude e beneficiar a empresa Pérola do Oeste.

Os promotores afirmam que Chociai chegou a criar um e-mail falso e comprou um telefone só para falar sobre o esquema.

Os investigadores dizem, ainda, que os empresários do setor de transporte Beatriz Golin Guarinello, Donato Gulin, Dante José Gulin e pessoas ligadas eles também atuaram na organização criminosa, como beneficiários finais e para dar um ar de legalidade à licitação.Os três foram alvos de condução coercitiva na operação de terça-feira.

Na denúncia apresentada em 2016 à Justiça, referente ao início das investigações, os promotores dizem que a intenção da organização criminosa era gerar vantagens indevidas para a Pérola do Oeste, como a manutenção da concessão do serviço de transporte para a empresa e, também, a garantia de total autonomia desta empresa para o controle de todo o sistema público de transporte coletivo de Guarapuava, especialmente para fixar as tarifas deste serviço sem qualquer ingerência do poder público municipal.

Outro lado
A defesa de Donato Gulin afirmou que os trechos da delação usados nos autos não apontam relação de Donato com as acusações, e que vai pedir ao MP a inclusão da delação na íntegra.

O advogado de Dante Gulin reafirmou que o cliente não tem envolvimento no esquema e repudia qualquer acusação de ilegalidade.

A empresa Pérola do Oeste informou que está prestando todos os esclarecimentos.

O advogado do ex-prefeito de Guarapuava Luiz Fernando Ribas Carli não quis se manifestar.

A reportagem procurou, mas não teve retorno de Fábio Ribas, Luiz Adriano Chociai e Beatriz Golin. Zamir Martini não foi localizado.

 

 
 
 Outras Notícias
VER TODAS
 

HORÁRIO DE ATENDIMENTO: De Segunda à Sexta das 8:00 às 11:30 e das 13:00 às 17:30

Rua Pref. José Buhrer Junior, 462 - Centro

Cep: 84430-000 - IMBITUVA - Paraná

(42) 3436-12 33

prefeitura@imbituva.pr.gov.br